Projeto usa teatro para levar questões ambientais a crianças e jovens

Data
01-11-2016
Categoria
Brasil
Tema

Escolas públicas e privadas do Rio podem receber peças gratuitamente. Basta fazer a inscrição.

Com o objetivo de incentivar o teatro e, ao mesmo tempo, contribuir para a formação da consciência ambiental de crianças e adolescentes, dois espetáculos – gratuitos – estão circulando pelo estado do Rio de Janeiro até o fim do ano. “A resposta para mudar o mundo” é voltada para adolescentes a partir dos 13 anos e abusa dos recursos tecnológicos. Por sua vez, “Rio 2066” é um teatro de animação que tem como público-alvo crianças dos 7 aos 10 anos. Ao todo, serão realizadas 80 apresentações gratuitas, em instituições de ensino públicas e privadas. “A resposta para mudar o mundo” passará por 12 municípios: Belford Roxo, Cabo Frio, Campos, Duque de Caxias, Itaperuna, Macaé, Nilópolis, Nova Iguaçu, São Gonçalo, Niterói, Volta Redonda e Rio de Janeiro. Já “Rio 2066” será apresentado na cidade do Rio.

A RESPOSTA PARA MUDAR O MUNDO – O espetáculo passeia pelo universo dos jogos de investigação, da ficção científica e do cinema catástrofe, com direito a imagens de furacão, tornado e outros eventos similares projetadas ao fundo e impactando a plateia. Uma série de calamidades climáticas começa a acontecer, simultaneamente no mundo e, em duas horas, uma onda gigante varrerá a costa brasileira. Jonas e Clarice haviam combinado de se encontrar para terminar um trabalho para a escola e agora se veem diante desse fato repentino e assombroso. Durante o desenrolar da trama, eles vão fazendo uma bem-humorada, porém séria, reflexão sobre o impacto da ação humana e do consumismo desenfreado no meio ambiente. Ao mesmo tempo, vão mostrando como a tecnologia e o mundo digital estão presentes e permeiam a vida, o cotidiano e as relações do jovem urbano, enquanto têm de lidar com os conflitos naturais da adolescência.

RIO 2066 – É uma peça de animação passada no Rio de Janeiro do futuro, que conta as aventuras de Hugo, numa época em que nada é “naturalmente natural”, mas sim “naturalmente fabricado”, até mesmo a água, o ar, as plantas e os alimentos. Hugo é um menino que vive no ano de 2066. Nessa época, tudo é bastante desenvolvido tecnologicamente: as bicicletas podem voar e as encomendas são entregues em domicílio por drones-dirigíveis. Apesar de tanto progresso, a paisagem é mais cinza e árida que nos dias de hoje. Os mares, rios e lagos são totalmente poluídos, as florestas foram destruídas e a atmosfera é irrespirável. Quem quer respirar ar puro, beber água potável e apreciar as plantas tem que comprá-las em garrafas. Comida? Somente em pílulas. Sem parques, praias ou lagos para brincar, Hugo se diverte subindo no telhado dos prédios da cidade. Um dia se surpreende ao avisar uma raposa e resolve ir atrás dela, sem saber que vai viver uma grande aventura, que vai mudá-lo para sempre.

Os espetáculos fazem parte de um projeto chamado “Energia para Crescer”, cujo objetivo é dotar os jovens de consciência crítica sobre o uso dos recursos ambientais e das fontes de energia, para construir uma geração futura mais atuante, multiplicadora de boas práticas no trato com o meio ambiente, com foco no uso seguro e eficiente dos recursos energéticos. Em 2015, o espetáculo “A resposta para mudar o mundo” foi apresentado em 19 escolas, com 30 apresentações para cerca de 3.500 estudantes, entre 13 e 18 anos.

Os espetáculos contam com o patrocínio da Ceg, do Governo do Rio de Janeiro, da Secretaria de Estado de Cultura e da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro.
Após a apresentação dos espetáculos, é realizada uma rápida palestra sobre o uso responsável do gás, com atividades lúdicas, como quiz e jogos, uma vez que o gás está presente no dia a dia das pessoas.

As escolas devem fazer agendamento pelo e-mail: escolas@aguimaraesproducoes.com.br ou pelos telefones (21) 98233-0908 e (21) 99601-9207.